sábado, 30 de janeiro de 2021

Governo quer acelerar novo Bolsa Família para evitar por volta do auxílio emergencial

Foto: Jefferson Rudy/ Agência Brasil

O governo federal busca acelerar a reformulação do programa Bolsa Família para ganhar tempo e tentar diminuir a pressão por uma nova rodada do auxílio emergencial. Em outra investida, o Ministério da Economia tem escutado especialistas e outros setores do governo para reformular as regras do benefício, criado para ajudar as famílias na pandemia de covid-19. O objetivo é focalizar a concessão do auxílio e, consequentemente, reduzir o seu custo.

O movimento coordenado sinaliza que a área econômica não pretende ceder à pressão pela renovação imediata do auxílio. Na área econômica, a avaliação do “grupo fiscalista” de assessores do ministro Paulo Guedes é de que é preciso esperar um pouco mais para conceder o auxílio.De acordo com uma fonte escutada pelo Jornal O Estado de São Paulo, o mercado financeiro, resistente a que o governo se endivide ainda mais para bancar a ajuda adicional, está assimilando a nova rodada do benefício.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, disse na quarta-feira passada em entrevista à Rádio Bandeirantes que o novo desenho do Bolsa Família está pronto e deve ser lançado já na próxima semana. Após ter trabalhado na reformulação, Onyx pode em breve deixar a pasta para dar lugar a um nome indicado pelo Centrão. Segundo o Estadão/Broadcast, o novo desenho do Bolsa Família deve elevar o valor médio do benefício dos atuais R$ 190 para R$ 200. Haverá ainda um ajuste no critério de renda para ingressar no programa, que vai permitir a inclusão de cerca de 300 mil famílias.

Informações colhidas do BN