quarta-feira, 4 de março de 2020

Bahia tem 118 notificações do mosquito aedes aegypti por dia

Mosquito Aedes aegypti.

O novo coronavírus, que provoca a doença chamada Covid-19, ameaça o mundo, mas o grande vilão da Bahia é um velho conhecido de verões passados: o mosquito Aedes aegypti, transmissor das arboviroses dengue, zika e chikungunya. Nas sete primeiras semanas epidemiológicas do ano – entre 29 de dezembro e 15 de fevereiro, foram notificados 5.795 casos das três doenças em todo a Bahia, segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) – uma média de 118 notificações por dia.

Embora os dados da Sesab apontem para uma redução no número de casos de dengue (-17,6%) e de zika (-22,9%), os casos de chikungunya cresceram 366,9% no estado – uma morte é investigada em Salvador. Além disso, mesmo com a redução, os mais de 4,4 mil casos de dengue já notificados na Bahia este ano colocam sete municípios em alto risco para surto ou epidemia da doença.

O risco é alto, segundo o Ministério da Saúde, quando o coeficiente de incidência (CI) é superior a 300 notificações para cada 100 mil habitantes. Este é o caso de Valente, Jacaraci, Ibirataia, Nova Fátima, Itanhém, Cândido Sales e Vera Cruz.