Nutricau


Mix Papelaria

ST CELL

Mamute Moto Peças


Farmácia Eliana

Farmácia Victor

Farmácia Pró-Saúde

Farmácia Ubatã


Mix


Ponto do Pastel

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Ministério Público pede a prisão de João de Deus após denúncias de abuso sexual

O Ministério Público Estadual de Goiás (MP-GO) protocolou, no fim da tarde desta quarta-feira (12), a o pedido de prisão preventiva do médium João de Deus, suspeito de praticar abusos sexuais em mulheres durante tratamentos espirituais, em Abadiânia, na região central de Goiás. Nesta manhã, João de Deus negou as denúncias e disse que era inocente.

O pedido foi protocolado por volta das 17h45 pelos promotores Luciano Miranda e Patrícia Otoni, na promotoria de Abadiânia. Os dois são responsáveis pela força-tarefa que investiga os supostos crimes sexuais. Na saída, eles não quiseram falar com a imprensa.

A medida foi requerida após o MP receber mais de 200 denúncias de supostas vítimas do líder religioso. O pedido deve ser analisado pelo juiz Fernando Chacha, que é responsável pela comarca de Abadiania. A assessoria do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) informou ao G1 que não pode confirmar nenhuma informação porque o caso está em segredo de Justiça.

Ao G1, o advogado de João de Deus, Alberto Toron disse que ainda não foi comunicado oficialmente sobre o pedido e que seu cliente segue à disposição da Justiça para quaisquer esclarecimentos.

"Eu fui informado apenas pela imprensa, não recebi qualquer comunicação oficial, não conheço o teor do suposto pedido e, portanto, a única coisa que posso dizer é que o João de Deus voltou para Abadiânia e está à disposição da Justiça, como sempre esteve. Não me parece que haja qualquer necessidade da decretação da prisão preventiva. Por hora, é tudo que eu posso dizer", afirmou.

*G1