Nutricau


Farmácia Eliana

Farmácia Ubatã

Farmácia Pró-Saúde

Farmácia União



Mix Papelaria

Colormagem


Mix

Central Popular

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Seis são flagrados em condições de trabalho degradantes na Bahia; MPT pede indenização de R$ 2 milhões


Cama improvisada por trabalhadores na fazenda (Foto: Divulgação/SRTE-BA)

Ao menos seis trabalhadores foram encontrados em condições degradantes de trabalho em uma fazenda na cidade de Cardeal da Silva, a 150 quilômetros de Salvador. Um deles era mantido em condição análoga à escravidão e foi libertado. A força-tarefa da Superintendência Regional do Trabalho na Bahia foi realizada entre os dias 22 e 26 de maio, e o resultado da ação foi divulgado nesta sexta-feira (26). A fazenda cortava mata nativa para produção clandestina de carvão.

Para cada saca de carvão produzido pelos trabalhadores eram recebidos apenas R$ 7, totalizando cerca R$ 200 por semana, o que não garantia o pagamento de um salário mínimo mensal. Também foi constatado pela SRTE-BA que os trabalhadores contratados possuíam dívidas com alimentação com o empregador. Um caderno com débitos foi encontrado, o que comprova a denúncia.

O proprietário da fazenda situada em Cardeal da Silva não compareceu à audiência designada na quinta-feira (25), quando deveria assinar a carteira de trabalho dos empregados e quitar todos os créditos trabalhistas. Devido ao não comparecimento, o Ministério Público do Trabalho entrou com ação civil pública solicitando indenização no valor de R$ 2 milhões, além de solicitar à Justiça do Trabalho a desapropriação da terra, pelo fato dela estar sendo utilizada para fins ilícitos.
Barraco onde trabalhadores viviam era improvisado com madeira e lona
 (Foto: Divulgação/SRTE-BA)

De acordo com a SRTE-BA, os empregados dormiam em barracos improvisados de madeira e lona, sem colchões, no meio da mata atlântica, em contato com insetos e outros animais. A superintendência ainda informou que as necessidades fisiológicas dos empregados eram feitas a céu aberto. Além disso, eles não tinham direito a tomar banho ou beber água potável, e conviviam com escassez de alimentos. Eles também eram submetidos a consumir carne conservada em sal. (Leia Mais)

http://g1.globo.com/bahia/noticia/seis-sao-flagrados-em-condicoes-de-trabalho-degradantes-na-bahia-mpt-pede-indenizacao-de-r-2-mi.ghtml
G1 BA